LOCALIZAÇÃO e HISTÓRICO

 

       

     A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras localiza-se na cidade de São José do Rio Pardo (FFCL), na região nordeste do Estado de São Paulo, latitude 21º35’44” sul e longitude 46º 53’19” oeste, a 260 km da capital.  São José do Rio Pardo apresenta área de unidade territorial de 419,237 Km2 e uma população de 52.000 habitantes.

800px-SaoPaulo_Municip_SaoJosedoRioPardo.svg.png

   

 

   Historicamente, São José encontra-se na região conhecida como Velho Oeste Paulista, espaço entre Campinas e Ribeirão Preto que, no final do século XIX, viveu a expansão da lavoura cafeeira por terras paulistas. Nesse momento, avançando ainda pelas primeiras décadas do século XX, o café tornou-se o principal produto da economia rio-pardense, o que atraiu grandes levas de imigrantes, que chegavam a São Paulo em busca de uma vida melhor, fugindo das dificuldades enfrentadas na Europa. ​

 

       

 

 

 

     Juntamente com a expansão cafeeira e a chegada dos imigrantes, outro fator decisivo para o crescimento econômico de São José do Rio Pardo no período analisado, foi a construção da estrada de ferro. Acompanhando o café, a linha Mogiana, vinda de Campinas, passava pela vizinha Casa Branca (cerca de 30 km), indo na direção de Ribeirão Preto. Pela iniciativa dos grandes cafeicultores de São José foi possível a construção do Ramal Férreo do Rio Pardo, um braço particular da linha Mogiana.

 

 

       Esse empreendedorismo, depois incorporado à linha Mogiana, foi fundamental para o crescimento da cidade, atrelado ao café, principal produto da ec onomia agrária predominante em São Paulo.

 

    Infelizmente, como em todo o Estado, com o passar das décadas as linhas férreas foram perdendo seu apelo comercial, sendo lentamente substituídas pela rapidez e eficiência pelas rodovias. Hoje, São José não tem mais a linha férrea, substituída em parte por uma rodovia. Os reflexos dessa tomada de decisão, não só para São José, mas para São Paulo e todo o Brasil, tem seus efeitos muito bem claros, principalmente no caso dos cereais produzidos pelo interior do Brasil e a grande distância até os portos para exportação.

       

 

     Outro momento muito importante para a história de São José foi a construção da ponte metálica sobre o rio Pardo, a partir de 1887. A ponte teria papel dinamizador de nossa economia, permitindo que as propriedades agrícolas da margem direita também tivessem acesso à estação ferroviária recém-inaugurada.

 

     

     Um projeto mal elaborado levou ao tombamento da ponte, 50 dias depois de sua inauguração, em janeiro de 1898. Esse acidente, de grandes repercussões para a época, em virtude dos investimentos feitos para a aquisição da estrutura de aço na Alemanha, trouxe para São José para sua reconstrução o engenheiro Euclydes da Cunha.

 

     

    No final de 1897 o repórter Euclydes da Cunha, a serviço do jornal O Estado de São Paulo, havia participado da cobertura da Guerra de Canudos, no interior da Bahia, conflito encerrado em outubro de 1897 com a morte de Antônio Conselheiro e a destruição total do povoado de Canudos.

 

     

      De volta a São Paulo, agora em São José do Rio Pardo, Euclydes encontrou aqui em São José o ambiente favorável para sua vida pessoal atribulada, bem como condições para a formatação final da obra maior da literatura brasileira – Os Sertões.

 

     

     A relação do engenheiro escritor solidifica-se ainda mais após sua trágica morte em 1909. Já no ano de 1912, um pequeno grupo de amigos admiradores faz uma romaria até a cabana, às margens do rio, escritório de zinco utilizado pelo engenheiro. Era o início do movimento euclidiano em São José do Rio Pardo, que este ano completou 103 anos.

 

       

      A Semana Euclidiana, de 9 a 15 de agosto (15 de agosto 1909, morte de Euclydes), é o maior movimento cultural para um nome da literatura brasileira, que reúne alunos, professores e pesquisadores da obra euclidiana, do Brasil e do exterior.

     

       São José, em termos hídricos, é cortada pelo rio Pardo e alguns de seus principais afluentes, abriga em seu curso, dentro do município, as usinas hidrelétricas Euclides da Cunha e Armando Sales de Oliveira.

  

    No decorrer do século XX, outras atividades econômicas, ainda na área agrária, foram sendo incorporadas à nossa economia. São José ganhou uma “fama” com a grande produção de cebola, por muitos anos a principal fonte produtora desse artigo agrícola. Além da cebola, outros produtos hortifrúti foram sendo incorporados pelos agricultores da cidade.

 

     

     Esse destaque de produtividades foi um dos elementos decisivos para a escolha da Nestle, na década de 1970, instalar uma unidade produtiva em nossa cidade. Hoje, essa unidade da Nestle é uma das maiores do Brasil em sua área.

 

     

     Atenta a necessidades de mercado, com uma localização privilegiada em relação aos grandes centros de distribuição, São José tem sua história intimamente ligada à agricultura. Hoje, já avançando pelo século XXI, novos interesses do mercado consumidor têm feito nossa economia adaptar-se aos novos interesses. 

 

    Por boa parte dessa história, nos seus cinquenta anos de existência, a FEUC – Faculdade Euclides da Cunha, muito contribuiu para o crescimento de nossa cidade, formando jovens no ensino superior. A FEUC vem cumprindo importante papel social na formação de docentes de toda a região, sendo reconhecido este trabalho pela sua qualidade e eficiência.

 

     

     A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras localiza-se na cidade de São José do Rio Pardo (FFCL), na região nordeste do Estado de São Paulo, latitude 21º35’44” sul e longitude 46º 53’19” oeste, a uma distância de 260 km da capital.  É cortada pelo rio Pardo que abriga, no seu curso, dentro do município, diversas usinas hidrelétricas. Apresenta área de unidade territorial de 419,237 Km2 e uma população de 52.000 habitantes.

 

     

     A FFCL foi criada pela Lei Municipal nº 415, de 27/04/1964, tendo autorização definitiva de funcionamento através do parecer 201/66 do Conselho Estadual de Educação. A criação desta Instituição foi publicada, no jornal Gazeta Rio Pardo, de 22 de agosto de 1965, o qual enfatizou o esforço coletivo para que este ideal se concretizasse:

 

 

[...] fruto do empenho coletivo da população rio-pardense através da Prefeitura, da Câmara Municipal, das Autoridades, das entidades culturais, dos estabelecimentos de ensino, através do povo enfim, congregou-se em torno de um ideal e, com um entusiasmo revelado como em poucas ocasiões, lançou-se à luta, de que ora sai recompensada e inteiramente vitoriosa. (Gazeta do Rio Pardo, 1965)

 

     

     Iniciou suas atividades em 1966, oferecendo os seguintes cursos: Ciências Sociais, Pedagogia, Letras e História. Desde então, é mantida como entidade autárquica, firmando-se através desses anos como uma Instituição de Ensino Superior.

     

 

    A Instituição é pessoa jurídica de direito público, com sede e foro em São José do Rio Pardo. Atualmente, o seu amparo legal de funcionamento encontra-se na seguinte legislação:

Criação e Instalação: - Lei Municipal nº 415, de 27/4/64 e alterada pela Lei 2878, de 19/9/2006;

Autorização para Funcionamento: - Parecer nº 201, de 21/3/66, Decreto Estadual nº 46.243, de 6/5/66;

Reconhecimento: - Parecer CEE nº 353, de 21/12/70 – Decreto Federal nº 68.308, de 2/3/71;

Regulamentação da existência jurídica: Lei 1963, de 12/7/1995.

     

 

     Em 2001, atendendo às novas diretrizes nacionais e estaduais para cursos voltados à formação de professores, a Instituição deu início a um amplo processo de reestruturação por meio de um planejamento estratégico participativo, visando à criação do Instituto Superior de Educação Euclides da Cunha (ISEEC). Cumpre destacar os elogios advindos dos conselheiros do Conselho Estadual de Educação no parecer referente à aprovação do ISEEC, conforme demonstram as palavras descritas no referido parecer:

[...] Na reunião da CES de 18 de abril de 2004 pedi vistas dos autos porquanto esta Câmara tem mantido entendimento uniforme sobre os projetos de Institutos Superiores de Educação, a grande maioria deles em desacordo com as normas de regência, ou quando não, com projetos incompletos, levando a diligência. Este caso é substancialmente diferente.... Noto, desde logo, que o cuidadoso projeto engloba todas as licenciaturas já autorizadas, além do Normal, mas agora sob a correta denominação de “Curso de Formação de Professores em...” (fls. 61), contando as matrizes curriculares com um núcleo comum a todas, além de estágio comum (fls. 49) e, principalmente, uma missão do próprio ISEEC (Instituto Superior de Educação Euclides da Cunha), cuja coordenação é própria. (PARECER CEE 226/04)

 

Faixa_divis_ria_azul__site_.png
a5ff6e9a1e474456a9b7f7084996c0ec.png

 

 

 

Instituto Superior de Educação Euclides da Cunha- ISEEC:  Credenciado pela Portaria CEE-SP/GP 147/04 de 15/09/2004;

 

 

Instituiu a logomarca FEUC – Faculdade Euclides da Cunha: Lei 2766, de 30/3/32005. Adotado, visando a uma melhor interlocução com a comunidade, pelo colegiado da Instituição, favorecendo a criação de um logotipo mais adequado para divulgação da Instituição.

 

 

Renovação de Reconhecimento:  Portaria CEE-SP/GP 176 de 24/04/2013.

     Desde 29/05/2014 a FFCL está filiada à AIMES - SP - Associação de Instituições Municipais de Ensino Superior do Estado de São Paulo. A criação da entidade e votação de seus representantes aconteceu durante o VI Fórum das Instituições Municipais de Ensino Superior do Estado de São Paulo, realizado na mesma data nas dependências do Conselho Estadual de Educação de São Paulo. Foi eleito pelos presentes, como presidente representante da referida Associação, o Reitor da USCS, prof. Marcos Sidnei Bassi.

 

     Na oportunidade, dirigentes e representantes de instituições municipais de todo o Estado destacaram a importância de unirem-se em torno da nova entidade representativa, que tem entre seus objetivos o auxílio mútuo na elaboração de programas e projetos, que visem ao desenvolvimento social e ações de extensão universitária; e a defesa dos interesses dessas instituições perante o poder público, nas esferas federal, estadual e municipal.

 

    Além dos cursos de graduação, a FFCL de São José do Rio Pardo, ao longo de sua existência, ofereceu cursos de especialização, voltados especialmente à formação continuada de licenciados nas áreas de seus cursos de graduação.

 

 

 

Faixa_divis_ria_azul__site_.png

50 anos de formação profissional

com qualidade e eficiência!

cb10c01f6a4c42688d6571d68ad1d19b.png

“Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.”

 Paulo Freire, renomado pedagogo brasileiro

 

 

     A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Pardo – FFCL -, hoje mais conhecida como Faculdade Euclides da Cunha – FEUC.  Autarquia Municipal, fundada em 1965, desde a heroica luta de seus fundadores, aqueles rio-pardenses que enxergaram no ensino superior um grande diferencial para a cidade de São José do Rio Pardo dos anos de 1960, sempre foi um baluarte na formação e qualificação de profissionais da Educação.

 

     Por todo esse tempo, já são cinco décadas, é inegável o papel que essa Instituição de Ensino Superior representou e continua representando para a sociedade rio-pardense e toda a região, por sempre aqui encontrarem um espaço de iniciação e crescimento profissional. São milhares e milhares de pessoas que tiveram sua vida profissional totalmente atrelada à formação oferecida pelos muitos cursos da FFCL/FEUC.

 

     Por muitos anos, foi somente a FFCL/FEUC a única Instituição de Ensino Superior acessível para a maioria dos rio-pardenses e outros muitos estudantes vindos das cidades vizinhas. Foi na FFCL/FEUC que encontraram a formação no campo educacional, em cursos que abriam, e certamente cumpriram esse papel, outras possibilidades de trabalho e crescimento profissional, muito além do espaço escolar.

 

     Certamente os idealizadores da FFCL, na distante década de 1960, não tinham a dimensão de como isso refletiria no município, em especial na área educacional/social. Hoje, qualquer análise sobre indicadores de qualidade de vida de uma sociedade, entre outros elementos abordados, ressalta o papel da educação que é oferecida às pessoas.

 

     Temos indicadores de institutos oficiais que validam a qualidade do ensino rio-pardense, como matéria recentemente divulgada pela mídia local.

 

     Outros indicadores mostram, como o SARESP, a despeito dos problemas comuns em toda a rede estadual de ensino, que nossa cidade vem obtendo resultados que colocam nossas escolas estaduais entre as de melhor avaliação do Estado de São Paulo. Conhecemos grande parte dos professores que atuam nas redes Estadual, Municipal e Particular de nossa cidade, e sabemos qual a origem de sua formação básica: FFCL/FEUC.

 

    Nos seus quase cinquenta anos de atividades voltadas, sobretudo, ao ensino e extensão à comunidade permitem afirmar que a instituição tem conseguido cumprir sua missão, formando, até o presente momento, mais de nove mil educadores, dentre os quais, muitos exercem o magistério na rede pública estadual e municipal, assim como na rede privada de ensino básico dos municípios da região.

 

     Ao observador atento, fica bastante nítido um panorama de trabalhos e esforços com que esta Faculdade tem mantido com êxito o seu principal objetivo, ou seja, contribuir para uma comunidade melhor do ponto de vista intelectual, cultural, profissional e ético.

 

 

Faixa_divis_ria_azul__site_.png